Desenvolvendo soluções

Se alguém viesse até mim e perguntasse quando usar heatmaps, a resposta estaria na ponta da língua.

“O tempo todo”, eu diria em alto e bom som.

O fato é que inexiste uma página da web que não pode ser otimizada por meio dos mapas de calor.

Qualquer decisão relacionada a design, navegação, usabilidade e interface do usuário (UI) em geral tem muito a ganhar com sua utilização.

Por exemplo, na hora de criar um novo design para um website.

Baseando-se no comportamento de sua audiência, você pode personalizá-lo para que as ações desejadas sejam estimuladas.

Outro momento para utilizar heatmaps é na realização de testes A/B.

Funciona mais ou menos assim: você entrega páginas muito semelhantes à sua base de usuários.

No entanto, um único detalhe é modificado, como a cor do botão ou seu posicionamento.

Assim, você será capaz de analisar a performance de cada uma delas e decidir o que é melhor para o seu site.

Os mapas de calor têm muito a acrescentar nesse sentido.

Ao observar o comportamento do consumidor em páginas comparativas, você poderá determinar aquela que mais agrada ao seu público.

O mesmo vale para qualquer outra página de conversão.

Recolhimento de leads, geração de tráfego, cliques em anúncios… Os mapas de calor são ferramentas extremamente versáteis.

É por isso que sua utilização é tão recomendada.

Eles auxiliam como catalisador de atividades em qualquer etapa de um funil de vendas.

Fonte: Neil Patel